EPTC “sempre” presente?

Ontem no Pretinho Básico foi lida no ar uma mensagem de um ouvinte falando sobre a última Massa Crítica, que fechou uma das ruas de Porto Alegre em protesto, como acontece em toda última sexta-feira do mês. Segundo o ouvinte, ele ficou no telefone por 3 minutos tentando falar com a EPTC sem sucesso. O pessoal do Pretinho nem soube dizer exatamente de quem seria a responsabilidade de colocar batedores e coordenar a passeata. Foi quando algum “responsável” (e coloco em aspas de propósito) enviou uma mensagem dizendo que sim, a EPTC é a responsável por colocar batedores e coordenar e sempre se faz presente quando avisada. E só isso.

Primeiro, esse “responsável” (novamente, entre aspas) não disse coisa alguma sobre se a EPTC foi avisada ou não. Deixou pendente no ar. Segundo, sequer tocou no caso do ouvinte ter ficado três minutos esperando para falar com alguém, sem sucesso. E não vou entrar em detalhes sobre vários participantes do Massa Crítica falando que, quando a foi EPTC avisada, no protesto posterior ao atropelamento de participantes na Lima e Silva, os batedores passaram boa parte de tempo andando na contra-mão e sobre a calçada.

Também consideremos o seguinte: A EPTC está sempre presente no crusamento da Plínio com a Carlos Gomes no horário de pico, quando vários carros passam o sinal amarelo, não permitindo que pedestres possam crusar a faixa de segurança quando o sinal deles está verde? A ETPC está presente na Dom Pedro II domingo de manhá, quando vários carros passam a noite estacionados em lugar proibido? A EPTC está presente na Dom Pedro II, próximo ao bar Santa Mônica, no sábado a noite, quando a faixa da direita é feita de estacionamento por flanelinhas? A EPTC está presente no crusamento da Cristovão Colombo, Benjamin Constant e Quintino Bocaúva para multar os “espertinhos” que utilizam a faixa da esquerda, destinada a quem quer entrar na Benjamin e sequem na Cristovão? A resposta para todas estas perguntas é um grande e sonoro “não”.

Sabe onde a EPTC se faz presente? No estacionamento irregular sobre a faixa de pedestres na Carlos Gomes próximo a Furriel. Na troca de sinaleira da Cel. Aparício Borges com Oscar Pereira, as 8:30h da manhã, no horário de pico. Na demora de 3 horas da ligação para o serviço deles e a chegada de uma viatura para organizar um estacionamento irregular numa rua sem saída como a Carvalho Monteiro. E, principalmente, no caos generalizado que é o trânsito de Porto Alegre.

(E os eventos acima citados são apenas os que eu vi pessoalmente. Ouço histórias um pouco piores que estas dos meus colegas e amigos, mas não vou ficar no diz-que-diz-que.)

É muito fácil enviar um texto passivo-agressivo dizendo apenas “quando avistados, estamos presentes”. Não tão fácil é ter uma engenharia de trânsito capaz de trabalhar com a velocidade com que os carros são introduzidos na cidade. Não é tão fácil se fazer presente, multar e, principalmente, educar o trˆnsito desta cidade. Obviamente, escolhe-se apenas o que é mais fácil e ignora-se o que realmente deve ser feito.

Muitos poderiam dizer que a falta de educação e respeito as leis de trânsito da cidade são um sintoma maior de um problema cultural do país. Sim e não. A simples falta de respeito as leis poderia ser facilmente corrigida com fiscalização, parte que a EPTC simplesmente se recusa a fazer. Se existe uma lei, mas ela não é fiscalizada, esta lei não existe de fato.

Não estou, aqui, defendendo a Massa Crítica por ter fechado uma rua próxima a hospitais. Estou aqui, veementemente, criticando a EPTC por sua postura arrogante e total incompetência em gerir o trânsito desta cidade, como evidenciados pelos fatos acima.

Medos que se tornam verdade

Quando coloquei que o Tadeu Schmidt deveria calar a boca eternamente, acabei concluindo com uma preocupação (que poderia mais ser um reductio ad absurdum) de que se nos esportes aceitam-se os trocadilhos engraçadinhos e deixa-se a notícia, o fato, de lado, isso logo espalharia para as demais áreas do jornalismo. Obviamente, um grande salto de lógica.

Infelizmente, não levou muito tempo para que eu achasse um exemplo real do meu medo.

Na Zero Hora de hoje, bem na capa, há a seguinte manchete:

“Um goleiro enredado”

É, obviamente, uma alusão à prisão do goleiro Bruno do Flamengo, acusado de ter sequestrado a amante, força-la a abortar e, como a criança chegou a nascer, acabou por planejar a morte da mesma. Ou, pelo menos, é a linha que está sendo seguida pelas investigações da polícia e cujos fatos estão surgindo para confirmar a hipótese.

E, com um caso bárbado destes, a Zero Hora, que deveria ser um jornal sério (em contra-partida com o já não sério Diário Gaúcho), coloca um trocadilho destes. Se jornal tivesse som, a manchete seria seguida por algum imitador do Sílvio Santos rindo.

Um homem abusa da posição de sucesso na mídia para participar de orgias, engravida uma garota de programa, força-a a abortar e depois planeja sua morte e a executa com a ajuda de traficantes. E vira trocadilho de um dos maiores veículos de notícias do estado.

Realmente, “jornalismo” é uma atividade rara no país, sendo gradualmente substituido pela comédia.

E assim desanda a cultura brasileira…

Duas semanas no Brasil foram o suficiente pra encontrar o porque esse país não vai pra frente. O motivo é simples: a capacidade intelectual do brasileiro foi pro brejo.

Não teve um dia de noticiário em que um entrevistado na rua falhasse na capacidade de manter os pronomes e os substantivos no mesmo número. “As pessoa têm que aprender a usar as ferramenta.” Não foram um ou dois acontecimentos isolados; foi todo o dia. Sem contar aqueles com a capacidade de falar sem dizer nada, que também não foram casos isolados.

Sem contar o anúncio da prefeitura do Rio de Janeiro tentando chamar a atenção com “show de fogos de artifício com efeitos 3D!” No final, o que eles fizeram foi colocar baterias repetidas em posições repetidas, de forma que o mesmo conjutno de fogos aparecesse mesmo visto de posições diferentes. Efeitos 3D minhas bolas! Mas claro, ninguém saberia explicar o que eles queriam dizer com “3D”…

Ninguém consegue mais falar português e tem gente que usa expressões que não fazem o menor sentido. Começaram bem, j´ esquecendo como é que se fala. Daqui pra frente, é só ladeira abaixo…

O fenômeno “Tropa de Elite”

Incível como “Tropa de Elite” faz sucesso aqui no Brasil. Isso é uma das coisas interessantes sobre o filme. A outra coisa interessante é a quantidade de pessoas que realmente não entenderam o filme. A quantidade de piadas usando frases do filme é absurda.

Primeiro tem a Gang (“A loja que te entende”, mas que tem o pior setor de marketing do Brasil) espalhou vários outdoors com coisas do tipo “Em 2008, não espalhe lixo, ou tá com nojinho?” e “Em 2008, não brigue nos estádios ou pede pra sair”. A Claro (ou alguma outra empresa de celulares) saiu com uma propaganda com crianças querendo pegar o Papai Noel; um deles dorme e os outros aparecem dizendo “Pô sentinela, pede pra sair”.

Quantas piadas sairam sobre o filme “Filadélfia”? Nenhuma. Por quê? Porque é um filme sobre conscientização social. Assim como “Tropa de Elite”. Só que as pessoas resolveram ver o filme como piada. Ou seria que a violência no Brasil é piada? A corrupção na polícia é piada?

O filme é um filme crítico. Quantos não viram a crítica àqueles que puxam um baseadinho, dizendo que eles estão apoiando a violência nas favelas? Quantos não viram um pai de família, querendo fazer o certo e sempre com medo de tomar um tiro por aqueles que não se importam? Ou os filhos da classe média-alta com sua visão limitada do que é certo ou errado? Aparentemente, muito poucos.

Modernizando velhas piadas

<a href=”http://ribeirão/cachaça”>Água</a> -> 404 Not Found
<a href=”http://ribeirinho/água”>Água</a> -> 200 OK

As vozes na minha cabeça me acordaram rindo e me contaram essa…

Eu disse que eu era nerd…

Não é spam?

Por algum motivo estranho, eu gosto de ficar olhando os emails que o GMail marca como Spam. Hoje recebi um daquelas propostas milagrosas de ganhar dinheiro sem sair de casa. A parte interessante foi o final:

Mensagem Importante: Nossa mensagem NÃO é SPAM, veja o porquê: O e-mail é uma forma de correspondência igual a uma ligação telefônica ou a uma carta. No Brasil e no resto do mundo, da mesma forma que não é necessário autorização para se mandar cartas ou telefonar para alguém, também é desnecessária autorização prévia para o envio de e-mails. De qualquer forma, não há nada na legislação brasileira que refira-se à prática do SPAM, ou que a regulamente e certamente quando existir apenas tornará obrigatório ao remetente oferecer uma forma de exclusão uma vez que a proibição seria inconstitucional. Se você quiser sair do nosso grupo de mensagem, dê um reply com o tópico REMOVER. Portanto, se você nao quer fazer parte deste grupo de mensagem, bastar retornar este e-mail com o assunto : RETIRAR, que estaremos automaticamente excluindo seu e-mail desta lista.;

Veja só que interessante: só porque tu pode receber ligação de qualquer um, então esse email, que também poderia vir de qualquer um, não é spam! Incrível como a lógica dessas pessoas não consegue ver que Spam vai muito além de email: Receber uma ligação de uma empresa vendendo um produto que não te interessa e com informações que tu nunca pediu É spam; receber toneladas de papel pelo correio (ou aquelas malditas propagandas do banco junto com o extrato) É spam; Heck, até “Santinhos” na época de eleições É spam!. Só porque o meio é eletrônico, não quer dizer que não é spam.

A única questão importante aqui seria porquê brigamos tanto pra não ter spam na nossa caixa de correio virtual e não na nossa caixa postal normal ou no nosso celular ou na rua da cidade. A resposta é simples: custa dinheiro pra encher a rua de santinhos; custa dinheiro fazer uma carta de 10 gramas pesar 150 com o excesso de papel; custa dinheiro fazer uma ligação telefônica. Entretanto, mandar um email de um provedor gratuíto, custa quase nada para quem tá mandando, mas custa pra quem mantêm a internet funcionando.

Ainda torço pelo dia que as pessoas vão ter que ter permissão pra tocar num computador…

Notas em português

Indo para o banco, passei por um cara com a camiseta do Internacional (de Porto Alegre). Não comprimentei nem nada, vai que era brazuca…

Todo feliz por chegar no banco e conseguir falar, em inglês, sem pestanejar, que eu havia ativado meu cartão via telefone no sábado e que, no domingo, ao tentar fazer um saque, tinha recebido a mensagem que o PIN (senha) tava errado. “Agora to bem no inglês”, pensei. Ao falar com o antendente, ele me disse que era português e não falei mais inglês no banco.

Pra tua conta, tem três números: o BSB (agência), o número da conta e o número de acesso ao sistema por internet (NetBank), que não tem nenhuma relação com os dois anteriores (exceto que ambos mexem no mesmo volume de dinheiro). Para uso do cartão, tu tem uma senha; pra acesso ao NetBank, tu tem outra.

“Ao invez de aumentar tudo de uma vez só, vamos aumentar aos pouquinhos”

Parece que os deputados e senadores se ligaram que “se um sapo for colocado em água quente, ele vai saltar fora mas se for colocado em água fria e ela for aquecida lentamente, o sapo morrerá cozido”. Ao remover o pedido de aumento (ou bloqueado pela justiça[1]), o pedido agora é de “apenas” R$ 3.700[2] (mais do que eu recebia quando tava empregado, sendo que eu tinham descontos caso não aparecesse na segunda e na sexta-feira).

A questão é: é aí que a coisa vai parar ou eles poderão se dar aumentos a cada três semanas, fazendo que com no meio do ano o salário já chegue aos R$ 24.500 que tem sido repudiado. Será que a sociedade vai se ligar dessas coisas e continuar atacando essa corja que vai aumentando o salário para fazer nada?

Considerem isso: uma vez, o problema eram os políticos que não faziam nada; depois, passaram a ser os políticos que usavam a máquina administrativa para proveito próprio[3]; na seqüência, veio o crime organizado; agora, os políticos tem que se defender de pessoas comuns que os atacam (e não podemos dizer “sem motivo”). Lentamente, esse país está caminhando para uma guerra civil e políticos estão mais preocupados em ganhar mais do que tentar salvar o país. Ou vai ver estão juntando “um dinheirinho” pra se mudar pra Miami quando o caos imperar.

[1] Jornal da Record: “A Justiça acaba com a festa: o Supremo Tribunal Federal derruba o aumento de quase 100% para deputados e senadores.”
[2] Folha Online: “Parlamentares prometem defender aumento dos salários para R$ 16.500″.
[3] Como um certo presidente que construiu uma piscina usando equipamentos do estado.

Congresso quase dobra salários de parlamentares; governo evita crítica

Líderes partidários da Câmara e do Senado fecharam um acordo hoje para reajustar os salários dos deputados e senadores. Após o encontro, o presidente da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo (PC do B-SP), confirmou que o Congresso deve equiparar o salário dos parlamentares aos vencimentos dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), de R$ 24.500.

Incrível como um ato que deveria ser um serviço à população vira rapidinho uma profissão.

Alias, eu também quero um emprego em que eu mesmo decido qual vai ser meu salário. Provavelmente aí está o erro: quem deveria decidir o salário de deputados e senadores deveria ser algum orgão que não o próprio.

E, seguindo a mesma coisa que eu fiz com o escândalo das ambulâncias, lá vai a distribuição de partidos e estados:

Partidos:

PMDB 4
PL 4
PFL 4
PT 3
PSB 2
PDT 2
PC do B 2
PTC 1
PTB 1
PSDB 1
PPS 1
PP 1

Estados:

AC 1
AL 3
BA 2
CE 2
GO 1
MG 2
PB 3
PE 2
PI 1
RJ 2
RN 1
RR 1
SC 1
SE 1
SP 2

Depois eu adiciono o percental.

Também acho interessante citar que os que se oporam form os dois do PSOL e o único gaúcho.